boa noite!

Imagem Folheados

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

CelCoin - aplicativo para pagamento de contas e recarga de celular

Para baixar, instalar e cadastrar o aplicativo utilize o link abaixo:

https://www.celcoin.com.br/convite/uxp7occk




----------------------------------------------------------------------------
https://www.facebook.com/noimd2016/



domingo, 23 de outubro de 2016

Balcão de Loja: O que as redes sociais e ferramentas de marketing ...

Balcão de Loja: O que as redes sociais e ferramentas de marketing ...:

Vendas
Há várias maneiras de aumentar seus resultados, nos negócios, utilizando recursos na Internet.
O que as redes sociais e ferramentas...

Como ter vendas e clientes, recorrentes?
Como ser referência em seu negócio?
Como levar informações relevantes ao seu mercado?
Como ter uma presença marcante no mundo digital?
Como utilizar e extrair o máximo de benefício, da Internet?
Como ser um empreendor de sucesso?
Como ser um funcionário empreendedor?
Como vencer na era da economia compartilhada?
Como fazer parte da transformação digital?
Estamos aqui para lhe ajudar a entender todas estas questões.
E realizar um trabalho que vai colocá-lo dentro desta realidade.
Agencia NOIMD.
Entre em contato!



Ricardo Dias Ferreira Santos
Consultor em Vendas Online
NOIMD - Digital Marketing
Inbound, Content & Sales

p:+55 11 9 3807-8331  m: +55 11 9 6653-5996
w:agencianoimd.com.br  e: ricardo.ferreira@agencianoimd.com.br
      
Inbound Certification

------------------------------------

https://www.facebook.com/noimd2016/


#marketing #digital #internetmarketing #branding #social #media#sales #vendas #leads
#administracao #negocios #economia #empreender #vender #brand#marca #clientes #pme

Especialistas apontam leve melhora no setor imobiliário desde a crise.

Recuperação do mercado deve ser mais evidente em meados de 2017.
Cenário positivo tem ligação com a situação política do Brasil.

por Marcelo Lara

Saiba mais no link abaixo:

https://imoveismlara.wordpress.com/2016/10/23/especialistas-apontam-leve-melhora-no-setor-imobiliario-desde-a-crise/


terça-feira, 4 de outubro de 2016

Hora de Investir em Imóveis - texto completo



Ricardo Amorim

Ricardo Amorimfalse

CEO na RICAM Consultoria e Apresentador do Manhattan Connection na Globonews
Há cerca de 10 anos, analistas começaram a vaticinar que o Brasil teria uma bolha imobiliária prestes a estourar e que os preços dos imóveis cairiam em média 50% ou mais quando ela estourasse. Baseado em indicadores que apontavam que - ao contrário do que a maioria achava - em comparação a países onde bolhas imobiliárias estouraram, o endividamento de compradores de imóveis e o volume de novos lançamentos eram ainda pequenos e os preços não eram excepcionalmente elevados em relação à renda por aqui, publiquei diversos artigos refutando tais análises.
Os últimos anos foram a prova do pudim. O mercado imobiliário enfrentou a tempestade perfeita. A economia teve a maior contração em qualquer período de três anos desde 1900, a confiança de empresários e consumidores caiu aos níveis mais baixos da história, as taxas de juros subiram significativamente, a oferta de crédito imobiliário despencou ao menor nível em muito tempo e várias empresas líderes do setor passaram por dificuldades significativas e, em alguns casos, até por reestruturação judicial. Cenários muito menos extremos já seriam suficientes para fazer qualquer bolha imobiliária estourar, caso houvesse uma.
Não foi o que aconteceu. As vendas e os novos lançamentos de imóveis despencaram e os preços caíram. Em alguns casos, as quedas de preços foram muito expressivas. No entanto, não houve um colapso generalizado de preços parecido ao que ocorreu, por exemplo, nos EUA quando uma bolha imobiliária estourou entre 2007 e 2009. Naquele caso, os preços de imóveis residenciais em todo o estado da Flórida caíram em média 60%. No estado de Nevada, a queda média de preços atingiu 80%. Em vários países europeus, as quedas médias de preços foram parecidas. No Brasil, muitos imóveis tiveram quedas de preços nestes patamares ou próximas a eles, mas na média, de acordo com Índice FIPE/ZAP, os preços de imóveis residenciais, por exemplo, apenas pararam de subir, tendo se estabilizado em 2016.
Estes dados subestimam a contração de preços que realmente aconteceu por duas razões. A mais importante é que eles desconsideram a inflação, que só em 2016 já atingiu 5,4%. Adicionalmente, o Índice FIPE/ZAP, que mede preços pedidos pelos vendedores, subestima a contração de preços efetivamente praticados no mercado, em função de descontos crescentes concedidos pelos vendedores nos dois últimos anos para conseguir concretizar as vendas. Em resumo, houve, sim, queda de preços de imóveis no Brasil, mas a queda média de preços foi muito inferior a de países onde bolhas imobiliárias estouraram, o que sugere para um ciclo usual de ajuste de preços em meio a uma recessão econômica.
Esta distinção é fundamental para todos que trabalham no setor imobiliário e todos que pretendem investir em terrenos, galpões, imóveis comerciais ou residenciais ou aqueles que pretendem comprar sua casa própria nos próximos anos.
Estouros de bolhas imobiliários são seguidos por longos períodos de desempenho econômico muito inferior ao que o país tinha até então e uma elevação significativa da taxa de desemprego, o que cria riscos importantes para quem oferta crédito e quem assume dívidas para financiar a compra dos imóveis. Foi o que aconteceu com o Japão nos últimos 25 anos e na Europa nos últimos 8 anos, por exemplo.
Em segundo lugar, há uma retração permanente do volume de negócios no mercado imobiliário com uma redução significativa do volume de lançamentos imobiliários, diminuindo o número de empregos e as oportunidades em toda a cadeia do setor imobiliário – desde quem constrói até quem vende imóveis. Foi isso também o que ocorreu no Japão, na Europa e mesmo nos EUA. O número de lançamentos imobiliários nos EUA nos últimos 12 meses não chegou a um terço do que era em 2007. Na Europa e no Japão, as contrações foram ainda maiores.
No Brasil, ao contrário, tivemos uma contração cíclica do mercado imobiliário causada pela recessão. Assim como aconteceu após as recessões de 2003 e 2009, esta contração deve ser seguida por um reaquecimento do mercado imobiliário à medida que a confiança e a economia se recuperarem e a oferta de crédito voltar a se expandir, começando pela recuperação de preços, seguida em um segundo momento pela recuperação do volume de vendas e, em um terceiro, de novos lançamentos .
A oportunidade para quem quer investir no mercado imobiliário está em posicionar-se antes que estas tendências se concretizem e sejam claras para todos. Já há vários sinais nesta direção, mas a maioria ainda não se deu conta disso.
Nos últimos meses, a confiança de empresários de todos os setores da economia e de consumidores têm subido de acordo com os indicadores da FGV, CNI, Fecomércio e outros. Alguns setores já têm até mostrado uma incipiente recuperação. Por conta da queda da inflação, a taxa de juros começará a cair ainda neste ano e, provavelmente, continuará em queda ao longo do ano que vem e do próximo, trazendo novamente a taxa SELIC para patamares de um dígito, estimulando as instituições financeiras a oferecerem maior volume e condições mais atraentes para o crédito imobiliário, o que expandirá a procura por imóveis tanto comerciais quanto residenciais.
Como detalhei em meu livro Depois da Tempestade, publicado recentemente, caso o governo Temer corte gastos públicos, colocando as contas públicas em ordem e afastando temores de risco de insolvência futura do setor público brasileiro – o que acredito que tem grande chance de acontecer – a recuperação econômica será muito mais rápida e forte do que a maioria acredita. Os impactos positivos da recuperação nos setores que mais sentiram a crise de confiança e a falta de oferta de crédito recente serão ainda maiores, capitaneados exatamente pelos setores imobiliário e automotivo.
Desde que publiquei o livro, as expectativas já começaram a melhorar. De acordo com o relatório Focus do Banco Central – que apresenta as expectativas de mais de 100 economistas – há poucos meses, eles projetavam, em média, que em 2017, o PIB brasileiro não cresceria nada. Hoje, os mesmos economistas já acreditam que o crescimento será superior a 1%. Salvo o governo Temer provar-se incapaz de fazer o ajuste fiscal ou ocorrer uma nova crise externa, estou convencido de que será muito superior a isso.
Os indicadores do próprio mercado imobiliário já têm refletido esta melhora de expectativas. O Índice IFIX da Bovespa, que mede o desempenho dos fundos imobiliários, teve uma alta de mais de 20% neste ano. Os 10 fundos imobiliários de melhor desempenho do mercado tiveram retornos entre 40% e 65%.
Se o cenário de recuperação econômica, queda de juros e expansão de crédito se concretizar, a demanda por imóveis deve crescer. Além disso, quando ajustado pela inflação, o IFIX ainda está cerca de 20% abaixo do seu nível de 4 anos atrás, sendo que as dificuldades financeiras de muitas incorporadoras e novos planos diretores de várias cidade devem limitar e encarecer novos lançamentos nos próximos anos. Assim, mesmo levando-se em consideração os amplos estoques que terão de ser desovados nos próximos dois anos e que devem inicialmente retardar e limitar a recuperação dos preços dos imóveis, as oportunidades para os interessados em investir em terrenos, galpões ou imóveis residenciais e comerciais agora parecem claras, particularmente para investidores de longo prazo.
Ricardo Amorim é autor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, presidente da Ricam Consultoria, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro na lista dos melhores e mais importantes palestrantes mundiais do Speakers Corner e o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes.
Hora de Investir em Imóveis
https://www.linkedin.com/pulse/hora-de-investir-em-im%C3%B3veis-ricardo-amorim

Mude agora, com ou sem entrada, use o FGTS  

Prontos Você Também Pode 
Entrada R$15 Mil ou FGTS
Mensalidade  R$ 1.300,00
Garantia Total Aprovação Antecipada na Caixa $$$$
Não perca dinheiro - sua entrada só depois da aprovação
.
2 Dormitórios1 Vaga - MCMV 
.
Informação e Atendimento
WhatsApp 11-96653-5996

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Mais notícias interessantes sobre Consórcios

http://economia.estadao.com.br/blogs/no-azul/em-consorcio-de-servicos-mulheres-tem-participacao-de-65/#

http://blog.abac.org.br/consorcio-de-a-a-z/posso-transferir-o-meu-consorcio-para-outra-pessoa#blog

http://blog.abac.org.br/consorcio-de-a-a-z/check-list-para-assinar-um-contrato-de-consorcio#blog

http://www.infomoney.com.br/educacao/guias/noticia/535105/como-funciona-contemplacao-consorcio

http://g1.globo.com/jornal-da-globo/noticia/2011/09/entenda-como-funciona-o-consorcio.html

http://blog.abac.org.br/consorcio-de-a-a-z/sistema-de-consorcios-o-que-e-e-como-funciona

http://www.bcb.gov.br/pre/bc_atende/port/consorcio.asp

Acompanhe nossos posts sobre Consórcios no blog:
http://investidoremimoveis.blogspot.com.br/2017/06/consorcio-porto-seguro-porque-o-plano-e.html

FGTS facilita compra de imóvel por Consórcio

FGTS facilita compra de imóvel por Consórcio.

Fonte:
InfoMoney


Regras que permitem uso do FGTS no consórcio imobiliário ficam mais flexíveis - InfoMoney
Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/consorcios/noticia/1940665/regras-que-permitem-uso-fgts-consorcio-imobiliario-ficam-mais-flexiveis

Acompanhe nossos posts sobre Consórcios no blog:
http://investidoremimoveis.blogspot.com.br/2017/06/consorcio-porto-seguro-porque-o-plano-e.html

Que tal fazer um consórcio para viajar?




Pu

Que tal fazer um consórcio para viajar?


“Viajar é mudar a roupa da alma”. Mário Quintana não poderia ter descrito melhor os benefícios que uma viagem pode trazer a alguém. E, se você gosta desse assunto, também poderá gostar desta dica: sabia que é possível fazer um consórcio para viajar?
Ficou interessado? Então, confira as orientações:
Para viajar usando o consórcio, é preciso entrar para um grupo de consórcio de serviços, em que os consorciados se reúnem para contribuir com uma poupança comum destinada à contratação de serviços de qualquer natureza, como uma viagem. Assim, quem faz umconsórcio para viajar poderá usar parte dessa poupança para contratar os serviços necessários em uma viagem, como os de uma agência de viagens.
Uma característica em comum muito importante entre consórcio e viagens é o planejamento. De acordo com Letícia Matos, gerente da EF (Education First) de São José do Rio Preto (SP), antes de partir para um destino nacional ou internacional, são necessários alguns meses de preparação. “Organizar com antecedência detalhes importantes, como documentos para embarque, custos das passagens áreas, roteiros e acomodações, ajuda o viajante a aproveitar toda a programação da melhor maneira possível.”
Da mesma forma, quem pensa em usar o consórcio para viajar deve planejar com antecedência a entrada para um grupo de consórcio de serviços, uma vez que, pelo sorteio, o consorciado pode ser contemplado até o último mês do grupo. Assim, antes de aderir ao consórcio, é fundamental checar o prazo do grupo, a fim de buscar um consórcio que se encerre antes do período da viagem.
Por isso, fazer um consórcio para viajar pode ser uma boa opção para quem planeja viagens com no mínimo um ano de antecedência, como um intercâmbio, férias em família ou para comemorar datas especiais, como aniversários, formaturas e bodas.
E vale lembrar que, se quiser antecipar a contemplação, o consorciado também pode ofertar um lance. Os critérios para oferta e desempate de lances são definidos em contrato.
Poder pagar todos os custos da viagem à vista também é um ponto positivo do consórcio. Traçando um planejamento, o consorciado pode usar sua contemplação com bastante antecedência, conseguindo bons descontos. “Em alguns períodos do ano, chamados de ‘baixa temporada’ (aqueles fora do período de férias escolares e feriados), os preços de passagens e estadia geralmente são menores. Por isso, vale a pena pesquisar com antecipação”, afirma Letícia.
Planeje-se!
Traçar todos os gastos que você poderá ter antes e durante uma viagem é fundamental para montar um bom planejamento. Confira, a seguir, alguns dos principais custos de uma viagem internacional, de acordo com a gerente da EF (Education First):
  • Documentos para embarque (passaporte e, se necessário, visto consular);
  • Passagens de ida e volta;
  • Estadia;
  • Refeições (lembrando que, em alguns países, existe o hábito da gorjeta);
  • Meios de locomoção no destino (aluguel de carro, taxi, transporte público etc);
  • Atividades extras (passeios com guia turístico, compras, tíquetes de museus etc).

    Fonte:
    http://blog.abac.org.br/dicas-da-abac/que-tal-fazer-um-consorcio-para-viajar-2

Acompanhe nossos posts sobre Consórcios no blog:
http://investidoremimoveis.blogspot.com.br/2017/06/consorcio-porto-seguro-porque-o-plano-e.html